Estreia: Amanhecer – parte II

Não meninas eu não ignorei a estreia de Amanhecer parte II apesar de quem me conhece saber que eu parei de ler e assistir ainda no primeiro volume. Nada contra, só não consegui sentir entusiasmo.

Após dar a luz a Renesmee (Mackenzie Foy), Bella Swan (Kristen Stewart) desperta já vampira. Ela agora precisa aprender a lidar com seus novos poderes, assim como absorver a ideia de que Jake (Taylor Lautner), seu melhor amigo, teve um imprinting com a filha. Devido ao elo existente entre eles, Jake passa a acompanhar com bastante atenção o rápido desenvolvimento de Renesmee, o que faz com que se aproxime cada vez mais dos Cullen. Paralelamente, Aro (Michael Sheen) é informado por Irina (Maggie Grace) da existência de Renesmee e de seus raros poderes. Acreditando que ela seja uma ameaça em potencial para o futuro dos Volturi, ele passa a elaborar um plano para atacar os Cullen e eliminar a garota de uma vez por todas.

Roberto Cunha crítico de cinema se referiu ao filme da seguinte forma: “Para os fãs que gostaram de A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 1, a boa notícia é que eles vão adorar essa segunda parte, o que vai animar bastante aqueles que acharam (não sem razão) o primeiro filme de Bill Condon lennnnnnnto demais. Agora, ele entrega uma produção mais dinâmica, bem humorada, com boas cenas de ação, que flerta com mais intensidade no clima conspiratório, tem mais personagens novos (alguns ruins) e, o melhor, reserva uma surpresa e tanto. Mérito também da roteirista de todos os longas, Melissa Rosenberg, que provou não ter entrado de gaiata e suas experiências em produções focadas público parecido, como o seriado O.C. – Um Estranho no Paraíso (2003-2004) e o filme Ela Dança, Eu Danço (2006), devem ter ajudado.

Se as falhas não são poucas (sim, elas existem), por outro lado é preciso dizer que os acertos também são evidentes. O mesmo raciocínio vale para a parte técnica, sempre criticada (e com razão), mas dá para entender que não são filmes de efeitos especiais raros na tela, mas de efeitos especiais comuns nas pessoas. Das interpretações caricatas nem vale a pena comentar porque o objetivo foi alcançado. Assim, com a missão de sentar na sala escura com um mínimo de conhecimento, tratei de ver nos dias anteriores o começo, o meio e aí – sim – poder assistir o fim. Para minha surpresa, é possível entender a razão de tanto sucesso. Com este bom fim, com tons de épico, o ciclo se completa e a saga descansa em paz para o delírio dos “crepusculares” de plantão os detratores do conjunto apresentado. Pelo menos, até o momento em que a autora resolver mexer seu dedinhos no teclado, incentivada pelos produtore$. Mas aí já é outra história e só tempo dirá se ela será escrita ou não. Na dúvida, pode apostar que vem mais por aí. ;) “

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s